Softex reassume a execução do Programa Start-Up Brasil

A Softex reassume a gestão das operações do Start-Up Brasil – Programa Nacional de Aceleração de Startups.

Lançado em novembro de 2012 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o programa tem por objetivo apoiar as empresas nascentes de base tecnológica. O Start-Up Brasil é um dos programas prioritários para impulsionar a economia brasileira e tem como base cinco pilares: desenvolvimento econômico e social, posicionamento internacional, inovação e empreendedorismo, produção científica, tecnológica e de inovação, e competitividade.

“A Softex pretende nos próximos dois anos, em parcerias com a Secretaria de Política de Informática – SEPIN, e outros atores do ecossistema, conduzir as operações do Start-Up Brasil a um espaço colaborativo para que todos os players do ecossistema nacional possam contribuir na evolução do programa e no mapeamento dos reais desafios do empreendedorismo nacional. O que marcará esta nova gestão será a interface com os demais programas de Governo Federal focados na competitividade nacional nos quais a Softex atua diretamente, bem como a interação com ações regionais executadas pela Rede Softex por meio do seus 23 agentes regionais e parceiros estratégicos”, comenta o Vice-Presidente Executivo da Softex, Diône Lima.

Ao assumir a gestão operacional do Start-Up Brasil, a Softex agrega a oferta de programas complementares em diversas áreas, com destaque para inovação, inteligência e internacionalização de empresas de TICs.

O Start-Up Brasil está com inscrições abertas até 04 de outubro.

Serão selecionados até 50 projetos de empresas nascentes de base tecnológica. Desde o lançamento, a iniciativa do governo federal já apoiou 183 startups com R$ 34,7 milhões em investimentos. As 50 startups selecionadas deverão se associar às aceleradoras qualificadas pelo Programa.

O Start-Up Brasil já executou dois ciclos de aceleração, de 2013 a 2015, quando apoiou 183 startups, distribuídas por quatro turmas e oriundas de 17 estados e 13 países. Até o momento, o MCTIC aportou R$ 34,7 milhões a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) de startups de tecnologia da informação (TI). A iniciativa alavancou aproximadamente R$ 103 milhões em investimentos privados e gerou mais de 1.200 empregos diretos.

Ao todo, 2.855 propostas se submeteram ao Programa. O apoio contemplou startups de diversos segmentos da economia, como educação, saúde, agronegócio, biotecnologia, varejo e logística. O Start-Up Brasil promoveu integração entre empreendedores de todo o território nacional, com destaque à presença de empresas e aceleradoras das regiões Norte e Nordeste, que, a partir do segundo ciclo, ganharam espaço no ecossistema empreendedor.

As startups também participam de uma série de eventos e atividades de capacitação e de aproximação com grandes companhias nacionais e internacionais, bem como com investidores; além de programas de acesso a mercado e compras públicas.  Durante todo este processo as empresas são acompanhadas pelas aceleradoras e também pelos gestores do programa Start-Up Brasil.